Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Assuntos do quotidiano, amor, família, amigos e várias experiências de vida. Fica por aqui ;)

O meu livro todos os dias

No ano de 2011 decidi fazer um curso de massagista, massoterapeuta. A minha professora de massagens era muito profissional e aprendi muito com ela. Comecei logo a praticar em casa com a família os primeiros movimentos de massagem e continuei sempre a praticar em casa. Todos em casa gostavam e começaram a sentir-se melhores das costas e das pernas. Sentiam muito a diferença. Os meus pais na altura, estavam na casa dos sessenta anos e precisavam muito de tratamentos. Foi assim que todos gostaram tanto das massagens que quando acabei o curso também a minha irmâ, decidiu inscrever-se na mesma escola e fazer um curso de massagem de spa e estética. Hoje em dia ela tem a loja dela que começou em 2018, onde continua. Encontrou uma área que ela abraçou e que gosta muito.  Eu fiquei com o curso de massoteraputa, auxiliar de fisioterapia mas como em 2012 o mercado de trabalho estva quase a zero, náo consegui encontrar trabalho em clínicas. Mesmo assim foi muito útil para mim porque fazia massagens em casa só a familiares e amigos em troca de nada. A minha irmã como trabalhava muito como massagista, precisava dos meus tratamentos constantemente. Como podem calcular é um trabalho duro por isso é essencial receber tratamentos quando necessário. 

Nestes cursos tivemos aulas cerca de um ano com várias disciplinas, inclusive técnicas de massagem, anatomofisiologia, nutrição, diatética e primeiros socorros. Muitas outras disciplinas tivemos e aprendemos muito numa época que ainda mal se falava em massagens. Havia muito pouco e poucos profissionais. Agora há muita gente que trabalha nesta área, mas não quer dizer que sejam bons profissionais.

Muito mais tarde em 2016 comecei a receber reiki e fiz os três niveis de reiki. Este ano fiz o terceiro nível. Esta experência, nova na minha vida, fez-me mudar a minha maneira de ser e de estar. Aprendi a ser mais moderada, não ser tanto conflituosa e aceitar as coisas como são, evitando julgar os outros e inclusive a aceitar-me como sou, com os meus defeitos e as minhas virtudes. Aprendi a não parar, lutar sempre e não baixar os braços. Nunca é tarde e principalmente podemos recomeçar de novo, sempre. Mesmo  que sejam mais de mil vezes.

 

 

 

6 comentários

Comentar post